fbpx

Cachorro com nariz escorrendo: descubra o que pode ser

É curioso e às vezes preocupante quando vemos nosso pet ter reações fisiológicas semelhantes às nossas, como o cachorro com nariz escorrendo. Afinal, o que pode estar acontecendo com o peludo? Cachorros também ficam resfriados? Entenda a seguir!

Cachorro com nariz escorrendo não é normal, mas acontece!

Em condições adequadas de saúde, o focinho do cachorro deve estar sempre úmido e fresquinho, mas sem escorrer. Isso ocorre pois o focinho dos cachorros é uma das estruturas responsáveis por regular a temperatura corporal do pet.

Ao notar o nariz do cachorro escorrendo, saiba que isso é um sinal de que há algo de errado. Em caso de problemas respiratórios é esperado que ele apresente coriza. “Uma secreção nasal transparente, purulenta, esverdeada e às vezes até sanguinolenta”, explica a Dra. Valéria Correa, médica-veterinária.

Quais são as causas da coriza em cachorros?

Antes de conhecer as principais causas do nariz de cachorro escorrendo, vale a pena saber também por que a coriza acontece. De acordo com a veterinária, a coriza é uma reação esperada do organismo, que acontece quando a mucosa nasal fica irritada ou inflamada. Isso pode acontecer por vários motivos tanto físicos quanto biológicos. 

Dentre os motivos possíveis para o surgimento da coriza, a Dra. Valéria cita rinite alérgica, neoplasias (tumores malignos) e pólipos (tumores benignos) na mucosa nasal. Porém, o motivo mais comum para o focinho escorrendo é a gripe em cachorro. 

Também conhecida como tosse dos canis, os principais sintomas de gripe em cachorro são a coriza e os espirros. É causada por um vírus altamente transmissível. Embora possa ocorrer o ano inteiro, é mais comum no inverno, quando a aglomeração de pets em ambientes fechados facilita o contágio.

Cachorro com focinho escorrendo? Saiba como proceder

Em caso de cachorro com focinho escorrendo, leve seu amigo para uma consulta e procure identificar se ele apresenta também outros sintomas, como tosse, espirros, indisposição, etc. Saber quando os sintomas começaram e falar sobre o estilo de vida do cachorro também ajuda o veterinário a chegar mais rápido ao diagnóstico correto. 

Depois de uma conversa e da avaliação física na consulta com o veterinário, o diagnóstico pode ser feito com a ajuda de exames, como hemograma, radiografia do tórax e até citologia nasal. Em casos mais difíceis, quando a origem do problema ainda assim não fica clara, é possível recorrer à rinoscopia e à tomografia nasal. 

Tratamento e prevenção

O tratamento da coriza está relacionado à sua causa. “Em se tratando da tosse dos canis, é uma doença autolimitante”, diz a doutora. Ou seja, assim como em humanos, a gripe canina segue um ciclo e passa por conta própria. “Porém, é necessário acompanhamento para que ela não evolua para uma pneumonia”, completa.

Também nos casos de rinite, o tratamento depende de suas causas, já que pode ser alérgica ou fúngica. Ou em casos de neoplasia e pólipos, pode haver a necessidade de intervenção