O que é dermatite?

O que é dermatite?

É bastante comum que nossos pets sejam diagnosticado com dermatite, mas afinal, o que é essa doença? As dermatites nada mais são do que uma inflamação da derme que pode acontecer por diversos motivos, apresentar diferentes formas e ser de vários tipos. As dermatites podem acometer qualquer ser vivo que possua pele, ou seja, nem mesmo nós, humanos, estamos livres deste problema. Da porção externa para a interna de nosso corpo, a derme é a segunda camada que constitui nossa pele, portanto, feridas bastante superficiais acontecem na epiderme (primeira camada) e não devem ser chamadas de dermatites.

Algumas raças de cachorro e gato são mais predispostas às dermatites e isso normalmente se deve a fatores genéticos (como dobras em excesso, por exemplo), tipos de pelagem (alguns animais mais peludos tendem a ter mais problemas de pele), umidade (banhos em excesso ou secagem realizada de maneira inadequada), entre outros. Pets muito alérgicos também costumam enfrentar as inflamações da derme com mais frequência por, naturalmente, já serem mais sensíveis e comumente terem uma imunidade um pouco mais comprometida.

 

Sintomas

A dermatite canina tem como seu principal alvo a pele do animal. Mas, em muitos casos, ela pode estar associada a outra doença. Diversas condições que acometem cães manifestam sintomas na pele e não devem ser confundidos com uma simples dermatite. É o caso da cinomose, que se manifesta com pequenas bolinhas de pus na pele do animal. Em casos assim, a atenção maior deve ser à doença de base, aquela responsável por causar a dermatite.

Veja os sintomas mais comuns:

  • perda de pelo
  • pelo ralo e com falhas
  • coçar ou morder constantemente um região da pele
  • vermelhidão na pele
  • pele com grumos ou pus
  • pele seca e escamosa
  • inchaço

Preste atenção aos sintomas e, ao notar algo fora do comum, procure um veterinário imediatamente.

Como prevenir dermatites

Apesar de alguns cachorros e gatos serem naturalmente mais propensos a desenvolver dermatites (inclusive de forma recorrente), na maioria dos casos podemos preveni-las com higiene, banhos, inspeções e secagem adequados. A dica aqui é sempre que possível, especialmente quando estiver fazendo um carinho em seu peludo, aproveite o momento para ver se ele possui pulgas e/ ou carrapatos, lesões de pele, falta de pelo em determinadas regiões ou outras anormalidades que merecem atenção.

Quando der banho nele (mesmo que em um pet shop), certifique-se de que ele foi bem seco. Se ele é gordinho ou é de uma raça que naturalmente possui “dobrinhas”, o zelo precisa ser redobrado, uma vez que essas camadas a mais podem ser um prato cheio para o desenvolvimento de fungos e bactérias. Se seu filho de quatro patas adora nadar ou tomar chuva, não permita que ele se seque sozinho, utilize uma toalha e o secador para auxiliá-lo nesta tarefa.

Fonte: Petlove; doghero.